sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Vacuidade

Percebo-a quando os grandes momentos chegam. E quando passam e nem foram grande coisa. 

Percebo-a na paz das árvores ao vento. E na impressão da mente ser muito maior que os pensamentos.

Percebo-a fora e dentro, quando me sinto personagem de uma história que repito pra mim mesmo.

Continua tudo igual depois daquela festa, daquele beijo, daquela conquista... A vida segue como um pêndulo entre o desejo e o tédio, segundo Schopenhauer. O eu que deseja focado em si mesmo logo se entedia.